SÃO PAULO GANHARÁ NOVO PARQUE ABERTO AO PÚBLICO E RIO ARTIFICIAL

Um dos fatos mais interessantes do projeto é que em seu terreno foram encontradas mais de oitenta espécies diferentes de plantas nativas da Mata Atlântica, muitas delas em extinção na cidade de São Paulo

O índice de satisfação de qualidade de vida entre os paulistanos subiu a nota de 5,4 (2016) para 6,0 (2018), ou seja, os paulistanos ficaram mais exigentes, e pediram por novos parques. Houve também um aumento no número de pessoas que consideram São Paulo, como a cidade ideal para viver, sendo que, em 2016, 68% delas consideravam mudar de cidade, e em 2018 este número caiu para 61%. “Precisamos criar uma cidade mais humana, com mais qualidade de vida. As pessoas querem viver em paz, mesmo dentro de uma cidade caótica como São Paulo. O setor privado precisa entender o seu papel na sociedade. Precisamos estar na vanguarda do mercado e praticarmos oCapitalismo Consciente, em que o lucro não pode ser a única razão da existência de uma empresa”, explica Vinicius Amato, Diretor da Incorporadora Gamaro.

Em 2007, a cidade possuía 32 parques espalhados, mas este número aumentou para 106 em 2018. Está clara a forte tendência que vem mudando o mercado e o estilo de vida de quem vive ou trabalha na capital paulista. Afim de aproveitar esse comportamento e contribuir com a cidade, a Incorporadora Gamaro realizará um empreendimento imobiliário único na capital. O projeto não apenas beneficia os futuros moradores, mas também a comunidade que vive em seu entorno. Como o nome já diz, O Parque possuirá uma grande área verde, administrada pelo domínio privado da Incorporadora Gamaro, mas aberto ao público. O terreno de mais de 38 mil m², localizado na Av. Roque Petroni Júnior, n° 630, no Morumbi, terá apenas 30% da área ocupada pela construção de 4 torres, sendo uma comercial e 3 residenciais. Todo o restante, ou seja, 25 mil m² será de área verde e um rio artificial. Um dos fatos mais interessantes do projeto é que em seu terreno foram encontradas mais de oitenta espécies diferentes de plantas nativas da Mata Atlântica, muitas delas em extinção na cidade de São Paulo.

Estas foram retiradas e levadas para um viveiro. Muitas são consideradas raras e estão praticamente extintasem ambiente urbano. Para essa reconstituição, a Incorporadora Gamaro e o escritório de arquitetura paisagística Ricardo Cardim uniram forças e conhecimento para realizar um verdadeiro trabalho de arqueologia botânica que buscou identificar e reconstituir espécies nativas raras de serem encontradas. Estão sendo usadas técnicas de germinação de sementes sobre as quais não havia nenhum tipo de registro, pesquisa empírica ou científica para a preservação e crescimento das mudas. Em breve elas serão transplantadas e O Parque começará a crescer no coração financeiro da cidade de São Paulo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *