Porque a sexualidade aflora no Carnaval?

O psicólogo especialista em sexualidade e casais Oswaldo M. Rodrigues Jr. diretor do InPaSex (Instituto Paulista de Sexualidade de São Paulo) explica que há milênios existe uma forma cultural iniciada na Europa de que na época da folia de Carnaval as pessoas se deixam levar pela euforia e ficam mais vulneráveis ao sexo. Ele conta que antigamente os grupos sociais desenvolveram isso como forma de facilitar a reprodução, valorizando as emoções associadas ao sexo através destas festividades até por isso que, culturalmente, a quaresma na sequência veio como uma forma de penitência para o que se havia feito durante o carnaval.

Para entender melhor esse mecanismo, o psicólogo explica o que acontece com os pensamentos do ser humano nessa época do ano: “A espera da semana de carnaval faz com que muitos criem expectativas de como será, e isso é o que facilita este mecanismo de euforia crescente que se produz diariamente até o dia da festa. Se temos vivências prazerosas com as folias de carnaval, nós tendemos a repetir e a cada ano aumentar a expectativa para que o prazer conhecido seja repetido. Este é o elemento motivador: buscar aquela sensação reconhecida como prazer”, menciona o especialista.

É verdade que há sim um aumento de parcerias sexuais durante o Carnaval e essas vivências são compartilhadas com o contato físico que não existe na rotina da maioria das pessoas. “Brincar o carnaval num bloco de rua e esfregar-se em todos, ter o contato físico sem medos de se sentir abusado ou de estar sendo percebido como abusador gera a euforia de liberdade, facilitando estar com várias pessoas concomitantemente ou em sequência, sem se importar com o estabelecimento de um relacionamento após”, fala Oswaldo que complementa “Para algumas pessoas esta vivência é extremamente forte, a tal ponto dela sofrer por não viver isso o restante do ano, mesmo tentando contatos rápidos nos fins de semana. Pessoas que buscam estes padrões para os relacionamentos de longo prazo tendem a sobrevalorizar o carnaval, e tendem a desvalorizar os relacionamentos baseados em afetos de longo prazo”.

O psicólogo ainda alerta que ao viver estas formas de expressão emocional, seja por ser assim independentemente do carnaval, algumas pessoas podem desenvolver dificuldades de estabelecer relacionamentos de longo prazo posteriormente.

A real influência da folia no lado psicológico

As folias de carnaval e todas as outras festividades que ocorrem com o uso de álcool e outras substâncias são formas das pessoas buscarem vivências diferentes do cotidiano. Algumas procuram estas situações para escapar do mal-estar que não suportam, outras para tentar encontrar momentos de satisfação. Algumas apenas sabem seguir estes mecanismos de satisfação, permanecendo dependentes deles. Estes últimos encontram no carnaval um momento extra através do qual podem sentir-se iguais aos outros, sem serem rejeitados por estarem alcoolizados ou sob o uso de substâncias.

Também existem pessoas que usam o carnaval para se darem o direito de viver um momento diferente, emoções diferentes, e depois retornarem ao cotidiano comportado, regrado. Assim equilibra o ano, seguindo regras sociais e sem importunar aos vizinhos.

As dicas do especialista

Para aproveitar sem receio, Oswaldo fala que é preciso que cada um saiba o que a folia de carnaval significa para si mesmo. “Para os solteiros é importante compreender o que se busca e saber como encontrar algo que dê poder sobre cada um e sobre o ambiente é a chave de sucesso para os dias de folia. Já os casais que apreciam juntos a brincadeira, terão mais um momento para dividirem na vida, mas aqueles que divergem opiniões de como aproveitar esses dias terão um problema para solucionar e administrar”, finaliza. “Para estes últimos o melhor a fazer é dedicarem-se a outras atividades comuns aos dois sem correrem riscos de dissabores”.

Sobre Oswaldo M. Rodrigues Jr

Psicólogo formado pela UNIMARCO (1984); foi Secretário Geral e Tesoureiro da WAS – World Association for Sexology (2001-2005); Presidente da ABEIS – Associação Brasileira para o Estudo da Inadequação Sexual (2003-2005); dedica-se a tratar de problemas sexuais junto ao InPaSex – Instituto Paulista de Sexualidade – do qual é fundador e diretor. Autor de mais de 100 artigos científicos e mais de 35 livros, dentre eles: Parafilias (Ed. Zagodoni) Terapia da Sexualidade (2 vol., Ed. Zagodoni); editor chefe da Revista Terapia Sexual : clínica, pesquisa e aspectos psicossociais e co-cordenador do CEPES – Curso de Qualificação em Psicoterapia Sexual do Instituto Paulista de Sexualidade..

Um comentário em “Porque a sexualidade aflora no Carnaval?

  • 9 de março de 2018 a 17:37
    Permalink

    Muito interessante esse site. Parabéns pelo conteúdo
    Um abraço

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *