Pica-Pau – O Filme | Críticas de Cinema

Enfim, o passarinho que surgiu na década de 40 finalmente ganhou uma animação para os cinemas. E se “Pica-Pau – O Filme” não consegue empolgar por suas principais qualidades que o trouxeram até aqui, pelo menos em alguns poucos momentos, como quando se ouve a música tema de abertura, a animação se salva criando um verdadeiro frenesi nostálgico nos mais velhos.

A trama é muito simples e conta com o querido Pica-Pau aprontando várias de suas travessuras para proteger seu território. Dois vigaristas, Lance Walters (Timothy Omundson) e a namorada Vanessa (Thaila Ayala) precisam de dinheiro. Para conseguir o que querem, resolvem construir uma super mansão no meio da floresta para lucrar com sua venda em seguida.  Se não fosse a tentativa de passar uma mensagem ecológica no filme (a necessidade de adaptar o velho ao novo para que toda família possa assistir), talvez a essência do personagem fosse preservada nesse aspecto.

Além da tentativa em transmitir uma mensagem, o que descaracteriza totalmente o personagem, Pica-Pau é “infernal”, mas não no nível nonsense que conhecemos desde suas animações antigas. Em suas animações televisivas, víamos o personagem literalmente cometer atos criminosos e em alguns momentos demonstrar crueldade e sadismo implacáveis. Como já destaquei aqui, o personagem é engraçado, mas com uma “barreira moral” que impede de mostrar aquilo que mais amamos nele desde sempre que é sua “loucura”.

A atriz brasileira, Thaila Ayala, uma das personagens do filme, literalmente não chama a atenção como suposta vilã, além de Timothy Omundson. Em uma tentativa comercial de “vender” um Pica-Pau ao estilo “não façam isso em casa, crianças”, a essência do personagem mais travesso das animações televisivas fracassa. Para uma nova geração o passarinho endiabrado até diverte, mas para os mais velhos não consegue fazer jus ao mito… O que é uma pena.

 

 

Pica-Pau – O Filme – Nota: 2,0

O critério de notas é estabelecido da seguinte forma:

0,0 = péssimo

1,0 = ruim

2,0 = regular

3,0 = bom

4,0 = ótimo

5,0 = excelente

Confiram a crítica completa no blog: efrempedroza.blogspot.com.br

Facebook: Efrem Pedroza – Canal Raio Ômega

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *