Mercado Pet resiste, cresce e gera empregos durante a pandemia

Mesmo com toda crise gerada pela pandemia do coronavírus, o setor de produtos pet registrou aumento nas vendas e gerou empregos desde  o começo da pandemia.
De acordo com a Associação Brasileira da Indústria de Produtos para Animais de Estimação (Abinpet), o setor deve faturou cerca de R$ 22,3 bilhões em 2020.
Isso acontece porque os pet shops não precisaram fechar durante a pandemia, já que são considerados serviços essenciais. Além disso, com o isolamento social, as pessoas passaram a ficar mais tempo em casa e os animais de estimação ganharam atenção redobrada.
Além daqueles que já tinham um animal de estimação, muitas pessoas decidiram adotar novos companheiros para ter companhia  durante a quarentena.
Além disso, com as pessoas passando maus tempo em casa com seus pets, os bichinhos, são presenteados com mimos em amor frequência, além de tomar mais banhos, o que aumenta a lucratividade dos pet shops.
O mercado pet gerou 2,4 milhões de empregos no de 2019 ate o final de 2020 de acordo com a Abinpet.
Uma empresa de consultoria em vendas realizou uma pesquisa com 70 microempreendedores do mercado de pet shops, na qual apenas cinco responderam que precisaram realizar demissões, suspensão ou redução de contratos de trabalho. Mais da metade informou que a situação atual não trouxe nenhum ou pouco impacto negativo para o negócio.
“Então a gente realmente não liberou ninguém e ainda observou uma certa quantidade de novos empregos. Para quem emprega 2,4 milhões de trabalhadores, é um setor importante para a economia nacional”, garante o presidente da Abinpet.
O setor também não sofre com o desabastecimento pois a maior parte dos produtos é produzida no Brasil e 90% da produção fica no mercado interno.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *