EXPRESSO TURÍSTICO CPTM


O Jornal do Monotrilho fez o passeio do Expresso Turismo no último sábado (10) que foi da Estação da Luz a Mogi das Cruzes.

O trajeto feito pela equipe do Jornal do Monotrilho no dia 10 passou por algumas cidades, como Itaquaquecetuba, Suzano e chegando a Mogi das Cruzes.

Ao deixar a capital paulista, o Expresso Turístico toma a direção dos trilhos da antiga Estrada de Ferro Central do Brasil, ferrovia construída ainda no Império, em 1877, para ligar o Rio de Janeiro a São Paulo.

Atualmente esse trecho integra a Linha 12-Safira da CPTM, que conecta o Brás à Estação Calmon Viana. O trecho é conhecido como “variante” à atual Linha 11-Coral/Expresso Leste, que foi aberta ao tráfego em 1934. Nesse caminho restaram duas estações com prédios da década de 1920, Calmon Viana e Aracaré.

Durante o século 20, passaram por essa linha os mais importantes trens de passageiros de longo percurso que o Brasil já viu, ligando São Paulo ao Rio de Janeiro. Entre eles estavam o Cruzeiro do Sul, o Santa Cruz e, mais recentemente, o “Trem de Prata”, que operou até 1998.​

Uma das curiosidades que nossa equipe percebeu foi que, quando visitada de carro, a cidade de Mogi das Cruzes, é preciso descer a serra Mogi Dutra. Porém o trem parece se deslocar em linha reta, sem descidas. Isso ocorre porque as linhas férreas seguem as margens dos rios não tendo declive nem aclive. Nesse caso, a linha segue a margem do Rio Tiete que nasce em Salesópolis e deságua no Rio Paraná (barragem de Jupiá) entre as cidades de Itapura e Castilho no interior do estado de São Paulo.

Além desse percurso o “Expresso Turismo” tem outros trajetos, tão agradáveis como o que fizemos que são:

JUNDIAÍ

O trajeto é realizado semanalmente aos sábados, com partida às 8h30 na Estação da Luz e retorno às 16h30 na Estação Jundiaí.

O trem segue pela estrada de ferro implantada em 1867 pela antiga SPR (São Paulo Railway Co.), empresa de capital inglês. Essa foi a primeira ferrovia de São Paulo e foi construída para levar, principalmente, o café produzido na região de Jundiaí até o Porto de Santos.

Atualmente chamada Linha 7-Rubi, ela ainda conta com estações construídas pela SPR, facilmente identificadas pela arquitetura em estilo inglês, como Perus, Caieiras e Jaraguá. Durante a viagem, que dura cerca de 1h30, monitores do Expresso Turístico fornecem informações históricas sobre a ferrovia.

PARANAPIACABA

O trajeto é realizado aos domingos. O passageiro tem a opção de embarcar às 8h30 na Estação da Luz ou às 9h00 na Estação Prefeito Celso Daniel-Santo André (Linha 10-Turquesa, da CPTM). O retorno ocorre às 16h30 em Paranapiacaba, com parada na Estação Prefeito Celso Daniel-Santo André.

Atenção: no ato da compra do bilhete, o passageiro define em qual das estações prefere realizar o embarque e o desembarque.

O percurso de 48 Km leva 1h30 e é realizado ao longo da atual Linha 10-Turquesa, proporcionando ao turista uma viagem no tempo. Entre os destaques estão as estações Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra, tombadas recentemente pelo patrimônio histórico de São Paulo. Elas foram construídas pela antiga empresa britânica SPR (São Paulo Railway) ― primeira ferrovia paulista, inaugurada em 1867.

Além disso, é possível encontrar em operação em Paranapiacaba a segunda locomotiva mais antiga do Brasil, que pertenceu à SPR e hoje integra o acervo da Associação Brasileira de Preservação Ferroviária (ABPF). Anualmente, no mês de julho, a vila também é palco do tradicional Festival de Inverno de Paranapiacaba, que reúne estrelas da MPB, rock, música clássica e atrações internacionais.

O trem “Expresso Turístico” é formado por uma locomotiva a diesel, da CPTM, Alco RS-3 de 1952, que conduz dois carros de passageiros, de aço inoxidável, Budd – Mafersa fabricados no Brasil nos anos 60. Cedidos pela Associação Brasileira de Preservação Ferroviária (ABPF), os vagões foram totalmente restaurados nas oficinas da CPTM, com esse visual retrô sua viagem fica mais agradável, nos levando um pouco ao passado, nos trazendo uma sensação agradável.

O trajeto, que dura cerca de 1h30, está sendo realizado no segundo sábado de cada mês. Com partida às 8h30 na Estação da Luz e retorno às 16h30 na Estação Mogi das Cruzes.

expresso-cptm-024

ORQUIDÁRIO ORIENTAL

Chegando a Mogi das Cruzes, fizemos mais dois passeios que são adquiridos ainda dentro do trem através Consultoria de viagem “THG Consultoria e Turismo Ferroviário – Viagens de Trem”.

O primeiro passeio foi para conhecer e desfrutar de um local com muita beleza, o Orquidário Oriental que fica a 35 km do Centro de Mogi das Cruzes.

Fomos recepcionados no local pela Srª Mirene, proprietário do local, que nos trouxe algumas informações bastante interessantes, inclusive como devemos cuidar das orquídeas:

JM: Hoje quantas espécies de orquídeas vocês tem aqui no Orquidário Oriental?

Mirene: Hoje temos cerca de 500 espécies aqui no Orquidário.

JM: Algumas pessoas tem dificuldade para cuidar das orquídeas, qual é a melhor forma para cuidar dessas plantas?

Mirene: As pessoas, muitas vezes, reclamam que as orquídeas morreram. Identificamos que foi por excesso de cuidado! Vejam que na natureza as orquídeas são encontradas em áreas rochosas ou agarradas em troncos, pois elas sugam nutrientes do ar e conseguem sobreviver. Pensando dessa forma não é preciso colocar muita água e nem muito adubo, é preciso se atentar se o substrato estiver seco, ai sim deve-se repor novamente a água. Outra coisa que eu recomendo é não deixar pratos com acumulo de água, com esses cuidados já feitos recomendamos que introduzam alguns adubos que podem ser folhagens, químicos ou orgânicos de acordo com o fabricante.

JM: A senhora esteve no Japão fazendo um curso de especialização de reprodução in vitro, nos conte um pouco sobre esse curso?

Quem fundou esse Projeto foi meu pai, que infelizmente veio a falecer ano passado. Eu estive no Japão em 1987, fui justamente para apreender essa reprodução in vitro. Hoje temos espécies, por exemplo, amarelas e vermelhas em reprodução in vitro, ou seja, clones de quando você quer uma quantidade grande de uma espécie. Você quer 100 Marta Rocha, então tirasse um pedaço pequeno de uma planta, onde é possível multiplicá-la e dividi-lá, assim você consegue a quantidade que necessita. Isso é a reprodução in vitro.

JM: Quais os dias e horários  em que o Orquidário Oriental está aberto?

Mirene: O show-room está aberto de terça a domingo das 8:00 ás 17:00, a parte de produção somente com agendamento para visitação da área produtiva.

 

O Orquidário Oriental está localizado na estrada de São Bento-Lambari KM 27 – Itapevi – Mogi das Cruzes – SP

Contatos: (11) 4795-3060 ou www.festivaldeorquideas.com.br

expresso-cptm-031

 

 

VISITA AO MOSTEIRO DA  TRANSFIGURAÇÃO

Após o passeio no orquidário, nossa equipe junto com a guia de Turismo Camila Goto e os visitantes fizemos a última parada no Mosteiro. Fomos recebidos pelo Monge Padre Dom Emanuele, que esta aqui no Brasil há 10 anos vindo do mosteiro da Itália. Ele nos apresentou toda a estrutura física do local conforme as fotos, além de nos contar rapidamente sobe a vida dos 6 monges que moram no local.

A Palavra monge é de origem grega que significa único, ou seja, os monges vivem em solidão, um pouco afastados da sociedade para que possam reunificar seu espírito com Deus.

Eles começam ás 6hs da manha e vão até as 7:00 em meditação e oração. Após louvam a Deus, 12:15 ficam em oração por uma hora, e só então vão realizar suas tarefas normais como estudar. Fazem leituras tanto da Bíblia como de outros temas. As 18:00 retornam novamente as orações, sendo a última oração do dia feita as 20:00, logo depois voltam para suas celas (quartos individuais).

O Jornal do Monotrilho perguntou ao monge se eles possuíam TV, e o Padre Dom Emanuelle disse que há uma TV comunitária em que os monges fazem um acordo, e decidem o que assistir. Mas é muito esporádico, possuem celulares, porém nos garantiu que não são reféns de nenhuma tecnologia.

Ele contou também, que todos nós deveríamos ter pelo menos 10 minutos de silencio total para que possamos nos conhecer, mas infelizmente a maioria das pessoas tem medo de se conhecer e por isso, não fazem. O monge afirmou que seria a melhorar maneira de solucionarmos nossos problemas diários.

Eles têm missa todos os domingos para uma comunidade local, e fazem retiros de acordo com a necessidade de cada pessoa, que geralmente é de uma semana.

Quem tiver interesse em fazer um retiro em lugar tão especial seguem os contatos:

Quem tiver interesse em fazer um retiro em lugar tão especial seguem os contatos.

Tel: 2500-2858/99706-1156 www.camaldolenses.com.br ou através dos e-mails. prior@camaldolenses.com.br / hospedaria@calmaldolenses.com.br ou vocação@calmaldolenses.com.br

expresso-cptm-046

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *