Estrabismo e retinopatia são comuns em bebês prematuros

No próximo dia 17 de Novembro é lembrado o Dia Mundial da Prematuridade. Segundo dados do Ministério da Saúde, cerca de 12% dos bebês nascem antes das 37 semanas de gestação, considerados assim prematuros. A boa notícia é que quando o parto acontece em centros especializados em medicina neonatal, mais de 80% dos bebês sobrevivem.

Entretanto, embora a taxa de mortalidade tenha sido reduzida, graças aos avanços da medicina neonatal, os bebês prematuros precisam de acompanhamento de várias especialidades, como de um oftalmopediatra, por exemplo. Isso porque os prematuros podem desenvolver a chamada retinopatia da prematuridade (ROP) e o estrabismo, entre outras condições.

Segundo Dra. Marcela Barreira, oftalmopediatra e especialista em estrabismo, a retinopatia da prematuridade é uma das principais causas de cegueira infantil que podem ser prevenidas. “A imaturidade orgânica do prematuro pode levar a alguns problemas. Um deles é a retinopatia da prematuridade que é uma doença em que há proliferação dos vasos sanguíneos da retina e consequente falta de vascularização. Quando não diagnosticada e tratada precocemente, há um risco grande de cegueira ou ainda graves sequelas visuais”.

Fatores de Risco
Estima-se que um terço dos bebês nascidos com menos de 1,5 kg pode desenvolver a ROP. Já os que pesam menos de 1,2 kg têm 65% de risco. Quanto menor a idade gestacional, maior será o tempo para o aparecimento dos sinais indicativos da ROP.

Isso quer dizer que os bebês que nascem muito antes do previsto demoram mais tempo para desenvolver a retinopatia. De qualquer maneira, todo bebê prematuro deve passar pela avaliação de um oftalmopediatra entre a 31ª e 33ª semana de idade gestacional ou entre a 4ª e 6ª semana de vida.

Estrabismo em prematuros
A imaturidade biológica dos prematuros também pode levar ao estrabismo, condição em que há desvio dos olhos. “Há vários tipos de estrabismo e alguns são mais graves, como no caso do estrabismo convergente que surge já nos primeiros meses de vida. Nestes casos, há indicação de cirurgia ainda no primeiro ano de vida e deve ser feito um acompanhamento regular. Em outros casos, como no estrabismo divergente, é possível esperar um pouco mais”, comenta Dra. Marcela.

É importante lembrar que a cirurgia não é estética, pois o estrabismo impacta na visão binocular (estereopsia), que ocorre quando o cérebro funde as duas imagens captadas pelos olhos em uma só. A visão binocular é fundamental para enxergar um campo visual maior e para dar a noção de profundidade, assim como para vermos imagens em 3D. Segundo Dra. Marcela, esta condição quando não tratada também pode levar à perda da acuidade visual decorrente da ambliopia (olho preguiçoso).

O diagnóstico do estrabismo deve ser feito de forma precoce. “Sabemos que quanto antes a cirurgia for feita, maior a chance de melhorar ou adquirir certa capacidade de visão binocular, por exemplo”, diz a médica.

O bebê prematuro precisará de consultas com o oftalmopediatra de forma rotineira, até que a visão esteja completa, por volta dos sete ou oito anos, mesmo que não apresente nenhum problema na maternidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *