Comitê de Blitze intensifica fiscalizações, apreende drogas, dispersa aglomerações e fecha balada na capital paulista

O denominado Comitê de Blitze do Estado de São Paulo, formado por forças de segurança pública e órgãos sanitários, tem intensificado as operações de fiscalização nesta fase emergencial do Plano São Paulo. Com o super feriado decretado na capital paulista e seguido por várias cidades do estado , o foco são as festas clandestinas e aglomerações.
Neste primeiro final de semana do super feriado de 10 dias, o Comitê de Blitze fechou uma casa noturna que funcionava de forma clandestina na capital.
A ação também abordou outros 102 pontos de aglomeração e autuou quatro estabelecimentos que descumpriam as determinações da fase emergencial do Plano São Paulo.
Segundo informações do governo estadual, a balada ficava no centro da capital paulista. O estabelecimento foi autuado e interditado pela Vigilância Sanitária. Em Pinheiros, foi interditado um salão de beleza, atividade que está proibida de funcionar durante a fase emergencial.
Além disso, uma empresa de segurança localizada na região do Jabaquara também foi autuada. No local a fiscalização flagrou várias  pessoas sem máscaras.
A Polícia Militar ainda dispersou 221 aglomerações.
Cinco pessoas foram multadas por dirigir sob efeito de álcool. As forças de segurança também apreenderam 10,5 kg de drogas durante as abordagens nas operações.
O Comitê de Blitze foi criado pelo governo estadual em parceria com a Prefeitura de São Paulo, com o objetivo de intensificar as fiscalizações e o cumprimento das medidas restritivas previstas na fase emergencial.
Fazem parte do comitê, agentes da Guarda Civil Metropolitana, das Vigilâncias Sanitárias estadual e municipal, do Procon e das Polícias Civil e Militar.
Qualquer pessoa pode denunciar festas clandestinas, aglomerações e o funcionamento irregular de serviços não essenciais de acordo com a determinação governamental pelo telefone 0800-771-3541 e também no site www.procon.sp.gov.br ou pelo e-mail secretarias@cvs.saude.sp.gov.br, do Centro de Vigilância Sanitária.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *