Ataques do Estado Islâmico contabilizam 132 mortos em Paris.

torreO ministro do Interior da França, Bernard Cazeneuve, disse que os ataques haviam sido preparados “por um grupo de indivíduos com base na Bélgica” e que tiveram “cúmplices na França”.

O Estado Islâmico assumiu a autoria dos ataques em comunicados por escrito e áudio por meio de canais online. O grupo disse que a intenção dos ataques é mostrar que a França continua sendo um “objetivo prioritário”.

Está em ação uma operação internacional que procura por Salah Abdeslam, identificado como a pessoa que dirigia um Volkswagen Polo encontrado nos arredores do teatro Le Bataclan, acredita-se que o veículo foi utilizado no ataque.

Salah Abdeslam foi parado pelas autoridades algumas horas depois dos atentados, ele conduzia um carro com outros homens em direção à fronteira da Bélgica, mas foi liberado depois de ter a documentação verificada.

As autoridades dizem que foram três os grupos que participaram dos ataques e estão entregando as primeiras informações sobre a identidade dos que morreram nos ataques, sendo que a maioria é de nacionalidade francesa.

A série de ataques foi considerada sem precedentes e foi declarado estado de emergência pelo presidente francês. Esse alerta foi acionado somente quatro vezes desde a Segunda Guerra Mundial.

O horror foi instaurado e todas as forças estão voltadas a neutralizar outros possíveis ataques.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *